domingo, 28 de dezembro de 2014

Sobre a polêmica em torno do filme A Entrevista

A Sony produziu um filme chamado "A Entrevista". O filme conta a história de dois jornalistas que criam um plano para matar Kim Jong Um [1]. A película ridiculariza o povo norte coreano, seus costumes, sua história e sua sociedade. Segundo o FBI - fonte nada confiável - hackers norte-coreanos atacaram a Sony para impedir o lançamento do filme [2]. Depois disso, a Sony (pagando de vítima) anunciou o cancelamento da estréia do filme. Obama em um clássico discurso viril e arrogante defendeu o lançamento do filme e afirmou que qualquer ataque à Sony seria considerado uma agressão direto aos Estados Unidos. Bem, de toda essa celeuma eu gostaria de comentar alguns pontos:

A ) É imperdoável para qualquer marxista depois de Gramsci e Althusser achar que existe "arte neutra" ou que "é apenas um filme". Sabemos bem, do ponto de vista teórico, qual é a importância, configuração e função da ideologia na luta de classe. Do ponto de vista histórico, depois dos trabalhos de Edward W. Said (O Orientalismo e Cultura e Imperialismo) e Domenico Losurdo (todas as obras dele), qualquer marxista com o mínimo de formação não pode ignorar a função da cultura e da ideologia no imperialismo, na guerra, na opressão de um povo [3]. Então pessoas que estão dizendo que é "apenas um filme" e "arte é arte", parem com isso, ou, deixem de se afirmar marxistas.

B ) O Filme é uma peça de desumanização e inferiorização cultural do povo da Coréia do Norte. Mostra o povo do país de forma grotesca, estereotipada, preconceituosa, bizarra. Conhecemos bem essa estratégia: cria-se uma idéia de um povo como bárbaro, incivilizado, inferior culturalmente e a partir daí justificasse invasões, ocupação militar, colonialismo, etc. Um exemplo perfeito disso é o documentário "Filmes ruins, árabes malvados" [4] que mostra como a indústria cinematográfica de Hollywood inferioriza, desumaniza e humilha o povo e a cultura árabe há anos (isso justifica, é claro, as agressões militares).

C ) É necessário reconhecer a nossa ignorância sobre a história, os costumes, o sistema político, a economia e o dia-dia do povo da Coréia do Norte. A maioria das notícias que os monopólios de mídia divulgam vem da Coréia do Sul. A Coréia do Sul tem uma lei de segurança nacional que proibi a vinculação de qualquer notícia considerada positiva sobre a Coréia do Norte. Poucos dias atrás um sujeito foi preso e pode pegar sete anos de cadeia por postar um twitter elogiando a Coréia do Norte [5]. Além disso, não temos muitos trabalhos acadêmicos, livros, documentários, etc., de boa qualidade sobre o país. O idioma, à distância, as diferenças culturais, o bloqueio do imperialismo (o embaixador britânico da Coréia do Norte falou bem do país no seu blog e foi exonerado do cargo) impedem a disseminação de boas informações. De vez em quando temos acesso a bons textos em blogs, matérias de boa qualidade em revistas internacionais (como o Le Monde Diplomatique) e depoimentos de viajantes. Mas nada muito sistemático. Então qualquer pessoa de bom senso deveria começar assumindo que: não temos material satisfatório para conhecermos como se deve o país em sua totalidade.

D) Por fim, concordando ou não com a ideologia, o sistema político e econômico da Coréia do Norte, é dever de todo marxista e pessoa de esquerda tomar uma postura anti-imperialista. Defender que o povo do país é que deve definir seu destino, decidir se quer continuar como está ou mudar sua situação política. Os Estados Unidos têm mais de 20 mil soldados e armas atômicas na Coréia do Sul, patrocina um bloqueio econômico brutal contra o país e tem bases militares em todos os países vizinhos da Coréia (menos China). Em uma conjuntura como essa alguém se preocupar mais em denunciar as "supostas violações dos direitos humanos" ou o "regime stalinista" do que as agressões do imperialismo estadunidense é objetivamente fazer o jogo do imperialismo, se comportar como um imbecil guiado pela ideologia dominante.

Notas
[3] – Documentário História do Racismo (mostra, dentre outras coisas, o papel da ideologia na dominação da África): https://www.youtube.com/watch?v=0NQz2mbaAnc
[4] – Documentário Filmes ruins, árabes malvados: https://www.youtube.com/watch?v=Im5qQ9s-ohA

Textos de boa qualidade sobre vários alguns da Coréia do Norte ( o nome verdadeiro é República Democrática Popular da Coréia):

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI SUA OPINIÃO!
responderei.