quinta-feira, 3 de março de 2016

Novos ataques do imperialismo contra a Coreia Popular: o maior bloqueio econômico do século XXI.


O bloqueio econômico é uma arma de terrorismo político que as grandes potências imperialistas (em especial os EUA) usam contra países e continentes com o intuito de provocar devastação em massa (fome, desemprego, miséria extrema etc.) e induzir uma mudança de rumos na política interna ou até a destruição do sistema político e das relações de produção vigentes - como no caso do bloqueio dos EUA contra Cuba. Enquanto existia o "campo socialista" com a URSS à frente, o bloqueio econômico do imperialismo tinha o efeito mitigado pelo internacionalismo soviético, com a destruição da pátria dos heróis de Stalingrado, a arma política do bloqueio econômico tornou-se mais devastadora que grandes bombas. É possível destruir completamente um país sem jogar sequer uma bomba nele.

O Conselho de Segurança da ONU acabou de aprovar um novo pacote de sansões contra a Coreia Popular ("Coreia do Norte") que estabelece o mais duro bloqueio econômico imposto no século XXI contra um país. Um bloqueio ainda mais brutal do que o contra Cuba. As sansões ditam limitações absurdas ao comércio com o país, impedem a compra de insumos básicos da indústria como petróleo, combustíveis e matérias primas (como carvão, ferro, ouro, titânio etc.), banem o comércio de armas, atacam ativos e negociações financeiras com ou oriundas da Coreia etc. A intenção do imperialismo é jogar a Coreia Popular de volta para a idade da pedra, destruir toda a indústria e consequentemente a capacidade de defesa e manutenção da soberania.

O mais bizarro nisso tudo é que a desculpa para as sansões foi o teste com a bomba de hidrogênio realizada pela Coreia Popular. A pátria de Kim Il-sung em mais de 50 anos de existência NUNCA usou seu poderio militar para invadir países mais fracos de forma colonialista e desenvolve seu programa nuclear exclusivamente para sua defesa; diferente, por exemplo, de Israel que tem armas nucleares para opressão do povo palestino, não aceita qualquer inspeção da ONU e não sofre nenhuma pressão internacional - para não falar dos EUA que tem mais de 5 mil ogivas nucleares. A China, país que seria ponta de lança na luta anticolonial na ingênua visão do Domenico Losurdo, mostra que assume a cada dia mais seu papel como centro imperialista apoiando o endurecimento contra a Coreia Popular porque o país se nega a ser um mero joguete no xadrez político de Pequim.

Enfim, tempos ainda mais difíceis se insurgem no horizonte para o bravo povo coreano. Muita criatividade, sacrifício e talento político serão necessários para sobreviver nesse clima de total asfixiamento econômico. Mas a Coreia Popular não se renderá. Seu povo luta há várias décadas pelo direito de existir e não será agora que perderá essa batalha!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI SUA OPINIÃO!
responderei.