terça-feira, 12 de julho de 2016

Contra a “pós-modernização” do Partido dos Panteras Negras


Vamos começar esse texto com uma longa citação de Lênin do clássico “O Estado e a Revolução”:

Dá-se com a doutrina de Marx, neste momento, aquilo que, muitas vezes, através da História, tem acontecido com as doutrinas dos pensadores revolucionários e dos dirigentes do movimento libertador das classes oprimidas. Os grandes revolucionários foram sempre perseguidos durante a vida; a sua doutrina foi sempre alvo do ódio mais feroz, das mais furiosas campanhas de mentiras e difamação por parte das classes dominantes. Mas, depois da sua morte, tenta-se convertê-los em ídolos inofensivos, canonizá-los por assim dizer, cercar o seu nome de uma auréola de glória, para "consolo" das classes oprimidas e para o seu ludíbrio, enquanto se castra a substância do seu ensinamento revolucionário, embotando-lhe o gume, aviltando-o [1]

O fenômeno que Lênin descreveu com Marx e os demais revolucionários acontece nesse exato momento, sobre nossos olhos, com o Partido dos Panteras Negras. Perseguidos, massacrados, tidos como radicais, espiões soviéticos, considerados pelo FBI o maior inimigo do capitalismo estadunidense no século XX, hoje os Panteras sofrem uma ampla operação teórico-política de “pacificação” e “pós-modernização” da organização.

A atual consciência média dos movimentos sociais de combate ao racismo, com forte inspiração de uma ação bem sucedida de ONG’s imperialistas (como a Fundação Ford [2]), nega os partidos, ama os coletivos, não é anticapitalista, defende formas de “empreendedorismo negro”, não é materialista, está presa em formas teóricas culturalistas, repudia o marxismo, porém adora “representatividade” como Obama na presidência do EUA, não é internacionalista, defende comunidades exclusivamente negras não raro fala ainda de “volta à África” etc.

Esse “espírito do tempo” projeta sua atual forma nos Panteras Negras reescrevendo a história de acordo com as “exigências” do presente. Não precisamos de Michel Foucault para saber que a produção de conhecimento está organicamente ligada as disputas políticas constitutivas da sociedade. Marx, Engels, Lênin, Gramsci, Rosa Luxemburgo etc. já nos esclareceram isso antes do filosofo francês. Uma coisa é certa: na atual correlação de forças, dentro da vasta diversidade do movimento negro, as tendências marxistas ou ligadas às diversas variantes do socialismo são minorias e o que podemos chamar de maneira genérica de culturalismo antimarxista (sabemos da impressão do termo, mas ele é útil para demarcar um campo não-marxista) é hegemônico.

A hegemonia desse campo se expressa num antimarxismo que procura negar qualquer papel positivo jogado pelo movimento comunista na luta contra o racismo, o colonialismo e o apartheid, provocando uma das operações mais desonestas de apagamento da história já vista. Não coincidentemente, em muitos momentos há uma aliança tácita entre setores do movimento negro e a direita mais raivosa (e racista) na difamação do comunismo [3]. A coisa é tão grave que chegam a negar a convicção socialista de figuras como Thomas Sankara, Angela Davis ou Samora Machel.

O objetivo desse texto é oferecer alguns elementos para desfazer essa “reescrita” da história dos Panteras. Não iremos trazer nada muito revolucionário no estudo do Partido, mas selecionaremos temas do momento – como “capitalismo negro”, forma organizativa, relação com o socialismo etc. – e partir disso traremos documentos e trechos de discursos dos líderes (homens e mulheres) que mostrem na prática, com documentos primários, a real posição do Partido dos Panteras Negras sobre determinado tema (não estamos pressupondo, de forma alguma, que os Panteras tinham posição única internamente sobre tudo; longe disso, mas procuraremos tratar de questões mais ou menos consensuais dentro da organização).

Sabemos que essa forma de escrita deixará o texto longo e um pouco maçante de ler lido, mas consideramos que o recurso a documentos primários é algo indispensável no meio de tanta distorção.

Empreendedorismo e capitalismo negro

Na atualidade é bem comum a ideia de que a transformação nas condições de vida do povo trabalhador negro passa pela ascensão social no capitalismo: a criação de uma classe média e uma burguesia negra. A cantora Beyonce, em sua música Formation, associa a estética típica dos Panteras Negras com o ideal de que o ápice da emancipação é tornar-se um “Bill Gates negro”. Veremos o que duas grandes lideranças dos Panteras acham disso.

Assata Shakur, um dos maiores nomes femininos do Partido, até hoje refugiada em Cuba porque é proibida de entrar nos EUA sob ameaça de prisão (coisa que Obama não fez nada para mudar [4]), diz sobre a questão:

Eu entrei em acaloradas discussões com irmãos e irmãs que falavam que a opressão do povo Preto seria apenas uma questão de raça. É por isso que você tem Pretos apoiando Nixon ou Reagan ou outros conservadores. “Pessoas Pretas com dinheiro sempre tenderam a apoiar candidatos os quais eles acreditavam que iriam proteger seus interesses financeiros. Na minha opinião, não precisou de muita inteligência para perceberem que o povo Preto é oprimido por causa da classe, assim como da raça, porque somos pobres e Pretos. Sempre me incomodava quando alguém falava sobre uma pessoa Preta subindo a escada do sucesso. Sempre que você fala sobre uma escada, você está falando sobre o topo e o fundo, uma classe superior e uma classe inferior, uma classe rica e uma classe pobre” [5]

Constatamos o que pensa sobre a questão um dos fundadores e maior líder da história do Partido, o grande Bobby Seale:

Nacionalistas culturais e Panteras Negras estão em conflito em muitas áreas. Basicamente, nacionalismo cultural vê o homem branco como opressor e não faz nenhuma distinção entre brancos racistas e não-racistas, como os Panteras fazem. Os nacionalistas culturais dizem que um homem negro não pode ser um inimigo do povo negro, enquanto os Panteras Negras acreditam que capitalistas negros são exploradores e opressores. Embora o Partido dos Panteras Negras acreditem no nacionalismo negro e na cultura negra, ele não acredita que nenhum desses vai lidar a liberação do povo negro ou acabar com o capitalismo e são, dessa forma, inefetivos [6]

Notem que Bobby fala diretamente de “capitalismo negro”, como Assata, e coloca a impossibilidade da libertação negra no capitalismo e ainda afirma, com todas as negras, que o negro explorador, isto é, capitalista, é um inimigo. Formas de ascensão social capitalistas não são nem cogitadas – um dos motivos disso é que o Partido tinha base negra TRABALHADORA e não nas camadas média negras do Sul dos EUA.


O Partido dos Panteras e o Empoderamento.

Segundo a camarada Juliana Magalhães, ““Parece que o "Empowerment" surge dentro das teorias de administração de empresas, no sentido de descentralização de poder, na perspectiva das novas gestões surgidas a partir das teorias de um cara chamado Elton Mayo e sua teoria das relações humanas. A ideia, dentro do contexto de reorganização do capitalismo e em linhas gerais, era a de superar o sistema fordista de produção e "emponderar" os trabalhadores dentro da lógica empresarial, na medida em que o trabalho em equipe (colaboradores) era muito mais eficiente para o bom funcionamento da empresa do que a verticalização da organização fordista. Em outras palavras, emponderar significava trabalhador flexível””. A despeito de sua origem, hoje, “empoderamento” surge como objetivo de muitos grupos de “combate” ao racismo. Esse termo confuso significa muitas coisas, porém, com certeza, nenhuma delas é a conquista do poder político. É  comum pegar imagens de membros do Partido e mostrá-los como “empoderados”. Mas vamos ver como o Partido, através de seu maior líder e principal fundador, Huey Newton, tratava a questão:

"Existem dois tipos de nacionalismo, o nacionalismo revolucionário e nacionalismo reacionário. O Nacionalismo revolucionário primeiro depende de uma revolução popular, o objetivo final é o povo no poder. Portanto, para ser um nacionalista revolucionário você por necessidade tem que ser socialista. Se você é um nacionalista reacionário você não é socialista e seu objetivo é a opressão do povo." [7]

Além de se afirmar claramente como socialista, Huey Newton coloca a meta do Partido como a conquista do Poder! Newton não só declarava que o objetivo do Partido era a conquista do Poder através de uma perspectiva socialista, como depois de conhecer a República Popular da China, se convenceu que aquele era um exemplo de emancipação social a ser seguido pelo povo trabalhador negro:

Tudo o que eu vi na China demonstrou que a República Popular é um território livre e liberto, com um governo socialista… Ver uma sociedade sem classes em pleno funcionamento é inesquecível.” Assim Huey Newton descreveu sua experiência na República Popular da China. Ele fez contrastes com suas experiências em territórios capitalistas e na República Popular. Descreveu costumes das “nações imperialistas” como “desumanizadores”, enquanto chamou os costumes da República Popular de “território livre.” Também comparou a polícia dos dois sistemas, elogiando a polícia chinesa por “servir ao povo”, enquanto criticou a polícia americana como “um enorme grupo armada que se opõe à vontade do povo.” [8]


Relação com o campo socialista.

É comum se afirmar hoje que os países socialistas não só não avançaram no combate do racismo, como negar o papel fundamental do movimento comunista na luta anticolonial. Não era essa a visão do Partido. Se percebendo como uma comunidade colonizada – trataremos desse ponto mais à frente – e explorada, o Partido não só mantinha ótimas relações com as experiências socialistas como se colocava dentro do movimento terceiro-mundista numa perspectiva anticolonial e anticapitalista (socialista). Observemos com atenção o que Eldridge Cleaver, um dos membros mais famosos do Partido e responsável pelas relações internais, diz sobre a Coreia Popular (isso mesmo: a demonizada Coreia do Norte):

A atual visita de nossa Delegação Anti-imperialista dos Povos dos Estados Unidos marca a inauguração pelo povo dos Estados Unidos deste programa de Diplomacia do Povo. Acreditamos ser adequado para nós lançar nosso programa com esta visita de solidariedade à República Popular Democrática da Coréia, dado que foi aqui na gloriosa e heroica RPDC a primeira vez que o imperialismo norte americano sofreu uma derrota. Acreditamos que quando o imperialismo norte americano finalmente for derrotado e o livro de sua história sem glórias for encerrado para sempre, se escreverão que foi no sagrado solo do corajoso povo coreano onde foi programada a morte e total destruição do imperialismo ianque. Nossa delegação se sente honrada por ser recebida pelo povo coreano e que nosso programa de DIPLOMACIA DO POVO tenha recebido apoio tão poderoso e significativo. Se todos os povos oprimidos e revolucionários do mundo seguissem o exemplo do povo coreano, liderados pelo perspicaz Comandante-Genial Kim Il Sung, o sempre vitorioso Camarada Kim Il Sung, então nosso programa de DIPLOMACIA DO POVO terá enorme sucesso, e o imperialismo estadunidense receberá um pungente e significativo golpe [9]

Vejamos ainda sobre o tema o que disse o membro mundialmente conhecido do Partido, Mumia Abu Jamal:


[...] Gritos de 'Nos ajudem a libertar Huey!' se misturavam com 'Salaam Aleikum, irmão!' enquanto lutávamos para vender nosso jornal.

— Irmão descubra o que está acontecendo que a estrutura da supremacia branca não irá lhe contar! Confira o The Black Panther - apenas 25 centavos!
— Irmão, você tem que se juntar ao Honorável Elijah Muhammad e parar de seguir estes diabos como Marx e Lenin e afins.

— Bom, e você deveria se juntar ao Ministro da Defesa, Huey P. Newton e o Black Panther Party.
— Vocês deveriam seguir um homem negro, irmão, e não estes judeus Marx e Lenin!
— Nós somos revolucionários, irmão, e estudamos os revolucionários do mundo. Não importa para nós de qual etnia eles sejam.

— Posso ver isso, irmão - olhando para uma cópia de The Black Panther, apontando para uma foto da capa de um homem asiático. Quem é esse, irmão?
— Esse é Kim Il Sung, líder da Coreia do Norte, e um revolucionário.

— Entende o que estou falando, irmão? Mais uma vez vocês falando sobre outro cara! Ele não tem nada a dizer para o povo negro, irmão!

— Bom, se é assim, irmão, por que ele está no seu jornal Muhammad Speaks?'

— Do que você está falando, irmão? - ele perguntou, aparentemente atordoados com a questão.
Eu li e estudei o jornal dele com bastante regularidade, pelo seu layout, notícias e comentários, mas eu duvidei que ele já tinha lido algum dos nossos. Isto parecia óbvio para alguém designado ao Ministério de Informação da Costa Leste, e me lembrei de ter lido a edição desta semana do Muhammad Speaks.
— Veja aí, irmão, na seção de notícias internacionais.

Desacreditado, ele revirou as páginas até que apareceu um artigo com a foto do Kim Il Sung. Ele olhou para ela, e virou pra mim, sorrindo.

— Sim, senhor, irmão. uhum.
— E o que aprendemos dele foi a ideia Juche, uma palavra coreana que significa autoconfiança!
Para um Pantera comum, ainda que trabalhássemos diariamente nos guetos negros dos Estados Unidos, seu pensamento normalmente estava em algo maior do que si mesmo. Significava ser parte de um movimento mundial contra o Imperialismo norte-americano, a supremacia branca, colonialismo, e o capitalismo. Sentíamos como se fôssemos parte do exército camponês do Vietnã, dos mineiros negros da África do Sul, os Fedayin palestinos, a efervescência estudantil em Paris, e os sem-terra da América Latina.
[10]

Resta ainda sobre esse tema um ponto fundamental. A Internacional Comunista (ou Terceira Internacional) ao começar a sua formulação sobre a questão negra considerou a opressão racial em termos de opressão nacional colonialista. Nos EUA a comunidade negra seria uma minoria nacional oprimida por uma potência imperialista e racista, e uma das bandeiras principais da luta do povo negro deveria ser sua emancipação nacional, isto é, formar um Estado-nação a parte [11]. Em que pese os problemas dessa visão da questão racial, é mais que interessante notar como ela influenciou o Partido dos Panteras  na organização política da comunidade negra como uma minoria nacional colonizada. Diz um dos panfletos distribuídos nos guetos:



'DEFENDA O GUETO’
EM NOSSA LUTA POR LIBERTAÇÃO NACIONAL, estamos agora no estágio de libertação das comunidades. Para libertar nossas comunidades negras do controle imperialista exercido sobre elas pelos grupos racistas e exploradores no interior das comunidades brancas, para libertar nosso povo, trancado nas Masmorras Urbanas, do imperialismo dos bairros brancos.
A NOSSA LUTA É contra o Imperialismo nas Comunidades. Nossas comunidades negras são colonizadas e controladas por fora, e é este controle que necessita ser esmagado, quebrado, despedaçado, por quaisquer meios necessários.
A POLÍTICA NAS NOSSAS COMUNIDADES é controlada por fora, a economia nas nossas comunidades é controlada por fora, e nós mesmos somos controlados pela polícia racista que vem de fora às nossas comunidades e as ocupa, patrulha, aterroriza, e brutaliza nosso povo como um exército estrangeiro numa terra conquistada.

O PARTIDO DOS PANTERAS NEGRAS É A ORGANIZAÇÃO REVOLUCIONÁRIA QUE LUTA PARA LIBERTAR NOSSO POVO DA OPRESSÃO, POR MEIOS POLÍTICOS E FÍSICOS. NÓS PRECISAMOS NOS ORGANIZAR, E PRECISAMOS NOS DEFENDER. --- JUNTE-SE AO PARTIDO DOS PANTERAS NEGRAS[12].



O famoso “Programa dos Dez pontos”, um dos documentos políticos mais conhecidos do século XX, o ethos de comunidade nacional oprimida pelo imperialismo aparece do começo ao fim:

10 PONTOS DO PROGRAMA DO PARTIDO PANTERA NEGRA

O que nós queremos.
O que nós acreditamos.


1- Queremos liberdade. Queremos o poder para determinar o destino de nossa Comunidade Negra.
Nós acreditamos que o povo preto não será livre até que nós sejamos capazes de determinar nosso destino.
2- Queremos emprego para nosso povo.
Nós acreditamos que o governo federal é responsável e obrigado a dar a cada homem emprego e renda garantida. Nós acreditamos que se o homem de negócios americano branco não nos dá emprego, então os meios de produção devem ser tomados dos homens de negócios e ser colocados na comunidade de modo que o povo da comunidade possa organizar e empregar todas as pessoas e dar-lhes um padrão elevado de vida.
3- Precisamos acabar com a exploração do homem branco na Comunidade Negra.

Nós acreditamos que este governo racista tem nos explorado e agora nós estamos demandando a quitação do débito de quarenta acres de terra e duas mulas. Quarenta acres e duas mulas foram prometidos 100 anos atrás em restituição pelo trabalho escravo e assassinato em massa do povo preto. Nós aceitaremos o pagamento em moeda corrente, que será distribuída às nossas muitas comunidades. Os Alemães estão agora reparando os Judeus em Israel pelo genocídio do povo Judeu. Os Alemães assassinaram seis milhões de Judeus. O Racista Americano tomou parte no massacre de mais de vinte milhões de pessoas pretas; conseqüentemente, nós sentimos que esta é uma demanda modesta que nós fazemos.


4- Nós queremos moradia, queremos um teto que seja adequado para abrigar seres humanos.


Nós acreditamos que se os senhores de terra brancos não dão moradia descente para a nossa comunidade negra, então a moradia e a terra devem ser transformadas em cooperativas de maneira que nossa comunidade, com auxílio governamental, possa construir e fazer casas descentes para as pessoas.




5- Nós queremos uma educação para nosso povo que exponha a verdadeira natureza da decadente sociedade Americana. Queremos uma educação que nos mostre a verdadeira história e a nossa importância e papel na atual sociedade americana.


Nós acreditamos em um sistema educacional que dê a nossos povos um conhecimento de si mesmo. Se um homem não tiver o conhecimento de si mesmo e de sua posição na sociedade e no mundo, então tem pouca possibilidade relacionar-se com qualquer outra coisa.
6. Nós queremos que todos os homens negros sejam isentos do serviço militar.


Nós acreditamos que o povo preto não deve ser forçado a lutar no serviço militar para defender um governo racista que não nos protege. Nós não lutaremos e mataremos os povos de cor no mundo que, como o povo preto, estão sendo vitimizados pelo governo racista branco da América. Nós nos protegeremos da força e da violência da polícia racista e das forças armadas racista, por todos os meios necessários.

7. Nós queremos o fim imediato da brutalidade policial e assassinato do povo preto.



Nós acreditamos que nós podemos terminar a brutalidade da polícia em nossa comunidade preta organizando grupos pretos de autodefesa que são dedicados a defender nossa comunidade preta da opressão e da brutalidade racista da polícia. A segunda emenda da Constituição dos Estados Unidos dá o direito de portar armas. Nós acreditamos conseqüentemente que todo o povo preto deve se armar para a autodefesa.

8. Nós queremos a liberdade para todos os homens pretos mantidos em prisões e cadeias federais, estaduais e municipais.
Nós acreditamos que todas as pessoas pretas devem ser liberadas das muitas cadeias e prisões porque não receberam um julgamento justo e imparcial.


9. Nós queremos que todas as pessoas pretas quando trazidos a julgamento sejam julgadas na corte por um júri de pares do seu grupo ou por pessoas de suas comunidades pretas, como definido pela Constituição dos Estados Unidos.


Nós acreditamos que as cortes devem seguir a Constituição dos Estados Unidos de modo que as pessoas pretas recebam julgamentos justos. A 14ª emenda da Constituição dos ESTADOS UNIDOS dá a um homem o direito de ser julgado por pares de seu grupo. Um par é uma pessoa com um acumulo econômico, social, religioso, geográfico, ambiental, histórico e racial similar. Para fazer isto a corte será forçada a selecionar um júri da comunidade preta de que o réu preto veio. Nós fomos, e estamos sendo julgados por júris todo-brancos que não têm nenhuma compreensão "do raciocínio do homem médio" da comunidade preta.

10. Nós queremos terra, pão, moradia, educação, roupas, justiça e paz. E como nosso objetivo político principal, um plebiscito supervisionado pelas Nações-Unidas a ser realizado em toda a colônia preta no qual só serão permitidos aos pretos, vítimas do projeto colonial, participar, com a finalidade de determinar a vontade do povo preto a respeito de seu destino nacional [13
]


Amor ao coletivo, ódio ao Partido

O “espírito do tempo” nutre um ódio visceral à organização na forma-partido. Só um cego não percebe que parte de ódio é fruto de experiências concretas ruins com as organizações do campo “democrático-popular”. Anos de aparelhismo, cooptação, práticas quase de gangsterismo, rebaixamento de pautas, direcionamento das lutas para fins eleitorais pelo PT, PCdoB, PSB etc. deixam sequelas inegáveis, além de todo o amplo espectro ideológico pós-moderno que nega a forma-partido e louva o movimento social e o coletivo.

Então, ao mesmo tempo em que existe uma grande tarefa histórica dos partidos comunistas em mostrar que as experiências negativas com o campo “democrático-popular” não nos devem fazer negar a forma-partido em si, temos que explicitar todos os limites das concepções pós-modernas de organização política. Pouco tempo atrás escrevi um texto sobre liberdade e democracia interna numa organização político-partidária combatendo, justamente, a lenda de que o centralismo-democrático é essencialmente autoritário [14].

Pois bem, o Partido dos Panteras Negras era regido pelo centralismo-democrático. Centralismo entendido como unidade na ação, isto é, internamente existe a mais firme disciplina aliado ao mais amplo debate democrático combinado com a ação política unitária, coesa, e organizada. No documento sobre as regras do Partido que postaremos abaixo, o sentido fortemente disciplinar, centralista e democrático faz-se evidente:

As regras são:


1. Nenhum membro pode ter narcóticos ou maconha em sua posse enquanto realiza trabalho do partido. 
2. Qualquer membro flagrado usando narcóticos será expulso do partido.
3. Nenhum membro pode estar bêbado quando realizar trabalho diário do partido.
4. Nenhum membro violará regras sobre trabalhos do diretório, reuniões gerais do Partido dos Panteras Negras e encontros do Partido em qualquer lugar.
5. Nenhum membro do partido irá usar, apontar ou disparar uma arma de qualquer tipo desnecessária ou acidentalmente em qualquer um.

6. Nenhum membro do partido pode ingressar em qualquer outra força militar além do Exército de Libertação Negra.
7. Nenhum membro pode estar sob a posse de uma arma enquanto bêbado ou após o uso de narcóticos ou maconha.
8. Nenhum membro do partido cometerá qualquer crime contra outros membros ou população negra em geral, e não poderá furtar ou tomar do povo, nem mesmo uma agulha ou pedaço de linha.

9. Quando presos, membros do Panteras Negras fornecerão apenas nome, endereço, e assinarão nada. Noções jurídicas básicas devem ser entendidas por todos do partido.
10. O Programa dos Dez Pontos e a plataforma do Partido dos Panteras Negras devem ser conhecidos e entendidos por cada membro.

11. Comunicações do partido devem ser nacionais e locais.
12. O programa 10-10-10 deveria ser conhecido e também entendido por todos os membros.
13. Todos os secretários de finança operarão sob a jurisdição do Ministério de Finanças.
14. Cada pessoa apresentará um relatório sobre o trabalho diário.
15. Cada Líder de Subseção, Líder de Seção, Tenente e Capitão deverá fornecer relatórios diários de trabalho.
16. Todos os Panteras devem aprender a operar e realizar a manutenção de armas corretamente.
17. Todo membro de Liderança que expulsar um membro deverá submeter esta informação ao Editor do Jornal, para que seja publicado no periódico e sabido por todas as filiais e células.
18. Aulas de Educação Política são obrigatórias para filiação no geral.
19. Apenas membros de diretório designados para suas respectivas unidades a cada dia devem estar lá. Todos os outros devem vender jornais nas brigadas ou realizar trabalho de base na comunidade, incluindo Capitães, Líderes de Seções etc.
20. COMUNICAÇÕES - Todas as filiais devem fornecer relatórios semanais por escrito à Sede Nacional.
21. Todas as unidades devem implementar Primeiros Socorros e/ou Auxílio Médico.
22. Todas as filiais, unidades e componentes do Partido dos Panteras Negras devem apresentar Relatório Financeiro mensal para o Ministério de Finanças, e também ao Comitê Central.
23. Todos em posição de liderança devem ler um mínimo de duas horas por dia para se manter a par da conjuntura política atual.
24. Nenhuma filial ou unidade deve aceitar doações, fundos de pobreza, dinheiro ou qualquer outra ajuda de qualquer agência governamental sem consultar a Sede Nacional.
25. Todas as filiais devem aderir à política e ideologia estabelecidas pelo Comitê Central do Partido dos Panteras Negras.
26. Todas as unidades devem fornecer relatórios semanais por escrito às suas respectivas filiais.

3 regras principais de disciplina:


1. Obedeça ordens em todas as suas ações.
2. Não tome uma única agulha ou pedaço de linha das massas pobres e oprimidas.
3. Entregue tudo capturado do inimigo em confronto [15]

Enfim, concluindo o texto, esperamos muito que com tudo que escrevemos e a partir desses documentários primários e mais alguns que vamos deixar nas referências [16] um pequeno passo seja dado no combate a “pós-modernização” do Partido dos Panteras Negras. A defesa do legado socialista, anticolonial e internacionalista dos Panteras é tarefa teórica e política indispensável de todo comunista!



[1] – https://www.marxists.org/portugues/lenin/1917/08/estadoerevolucao/cap1.htm
[2] - http://resistir.info/chossudovsky/comunicacao_serpa.html
[3] – O site Portal Conservador divulga com orgulho o livro de Carlos Moore, por exemplo: http://portalconservador.com/livros/Carlos-Moore-Marxismo-e-a-Questao-Racial.pdf
[4] – http://operamundi.uol.com.br/conteudo/samuel/38946/eua+cuba+e+o+problema+do+perdao+a+assata+shakur.shtml
[8] – Newton Reader (New York: Seven Sories Press, 2002, 51).
[10] – Excerto de "We Want Freedom: A Life in the Black Panther Party", autobiografia de Mumia Abu Jamal.
[11] – Sobre a interpretação da IC da questão racial: http://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/artigo249artigo139artigo212artigo5.pdf
[12] – Panfleto original em inglês. 

[13] – http://conscienciarevolucionaria-kassan.blogspot.com.br/2009/06/10-pontos-da-plataforma-e-programa-dos.html
[14] – http://makaveliteorizando.blogspot.com.br/2016/01/o-autoritarismo-e-sua-outra-face.html
[16] – Arquivo com vários documentos dos Panteras (em inglês): https://www.prisoncensorship.info/archive/etext/bpp/